O estado do homem após a morte

RECEBI UM E-MAIL DE UM PASTOR ME PERGUNTANDO: O QUE VOCÊ ME DIZ A RESPEITO DA PARÁBOLA DO RICO E LÁZARO QUE ESTÁ EM LUCAS 16?

RESPONDI A ELE: PARA COMPREENDERMOS MELHOR ESTA PASSAGEM BÍBLICA, VOCÊ TEM QUE ENTENDER PRIMEIRO COMO O HOMEM FOI CRIADO E O QUE ACONTECE QUANDO ELE MORRE.

1 - A CRIAÇÃO DO HOMEM - Gênesis 2. 7
E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o fôlego da vida; e o homem passou a SER alma vivente.

Primeira verdade: Pó da terra - Quando Moisés escreveu o livro de Gênesis, ele não tinha conhecimento dos elementos químicos que compunham o homem, por isso escreveu pó da terra. Hoje sabemos que o corpo humano é constituído por um conjunto de sistemas e órgãos que são responsáveis por mantê-lo em funcionamento durante toda vida humana, e que estes órgãos são formados por elementos químicos que existem na natureza como o oxigênio, hidrogênio, carbono, nitrogênio e outros.

Segunda verdade: Fôlego de vida "em hebreu ruach" - Da mesma forma Moisés não tinha o conhecimento da composição química do ar, escreveu então, fôlego da vida "e soprou em suas narinas o fôlego da vida". Hoje, sabemos que o ar, é na verdade uma composição de elementos químicos, cujo constituinte ativo é atualmente chamado oxigênio. Associado ao hidrogênio, forma-se a água (H2O) que compõem a maior parte do nosso corpo.

Durante muito tempo o ar foi considerado um elemento químico e só no final do século XVIII reconheceu-se que ele era na verdade uma mistura, cujo constituinte ativo é atualmente chamado oxigênio. O oxigênio, elemento químico de símbolo O, pertencente ao grupo dos calcogênios (VIa), foi descoberto por Priestley em 1722, por calcinação do nitrato de potássio. A partir de 1775, Lavoisier estabeleceu suas propriedades, mostrou que existia no ar e na água, e indicou seu papel fundamental nas combustões e na respiração. Coube ao químico francês Antoine Lavoisier mostrar que a combustão, a calcinação dos metais e a respiração são fenômenos relacionados entre si, pois são todos processos de combinação com o oxigênio.

Alguns teólogos insistem em dizer que Deus soprou nas narinas de Adão, algum tipo de espírito vivo que associou-se ao corpo de Adão e fez ele viver, o que não é verdade.

A palavra espírito vem do Latim "spiritus", que significa "respiração" ou "sopro". Muitos associam este nome a "alma (vida)", "coragem", "vigor", mas o verdadeiro significado é, "respirar ou soprar". No grego "pneuma" (πνευμα) = respirar. Em Hebreu "ruach" (רוח) = respiração, sopro. Resumindo: Deus soprou o AR nas narinas de Adão e Adão passou a viver.

Veja um exemplo interessante: Quando alguém se afoga, o primeiro procedimento que um salva vidas faz, é tentar retirar a água que esta acumulada nos pulmões da vitima, depois ele faz uma respiração boca a boca injetando o ar nos pulmões da vitima para tentar reanimá-la, (parecido com o fôlego de vida que Deus soprou nas narinas de Adão).

Nos hospitais uns dos equipamentos mais utilizados nas UTI's e centros cirúrgicos, é o de respiração, para manter o paciente vivo.

Agora veja na própria bíblia que interessante: Eclesiastes 3. 19-20 "Porque o que sucede aos filhos dos homens, isso mesmo também sucede aos animais, e lhes sucede a mesma coisa; como morre um, assim morre o outro; e todos têm o mesmo fôlego (ar, respiração), e a vantagem dos homens sobre os animais não é nenhuma, porque todos são vaidade. Todos vão para um lugar; todos foram feitos do pó (elementos químicos), e todos voltarão ao pó".

O mesmo elemento químico que está no homem, está no animal. O mesmo ar que um respira o outro respira também. O que diferencia o homem dos animais, está nos atributos dados a um e ao outro, o homem foi feito a imagem e semelhança de Deus (Gênesis 1. 26), dotado da "razão", o que, o diferencia do resto da criação.

Terceira verdade: e o homem passou a SER alma vivente - Neste texto escrito por Moisés, vemos que, o homem passou a SER alma vivente, e não a TER alma vivente. Podemos dizer então que alma significa vida (um ser humano vivo para Deus).

Os termos das línguas originais (hebraico: né·fesh; grego: psy·khé), segundo usados nas Escrituras, mostram que a "alma" é a pessoa, o animal ou a vida que a pessoa ou o animal possui.

As conotações que a palavra portuguesa "alma" geralmente transmite à mente da maioria das pessoas, não estão de acordo com o significado das palavras hebraica e grega usadas pelos inspirados escritores bíblicos.

A Bíblia não diz que temos uma alma. "Nefesh" é a própria pessoa, sua necessidade de alimento, o próprio sangue nas suas veias, seu ser. "The New York Times, 12 de outubro de 1962".

Qual é a origem do ensino de que a alma humana é invisível e imortal?

A dificuldade reside em que os significados popularmente atribuídos à palavra portuguesa "alma" provêm primariamente, não das Escrituras Hebraicas ou das Gregas Cristãs, mas da antiga filosofia grega, na realidade, do pensamento religioso pagão. Platão, o filósofo grego, por exemplo, cita Sócrates como dizendo: "A alma [...] se ela partir pura, não arrastando consigo nada do corpo,[...] parte para o que é como ela mesma, para o invisível, divino, imortal e sábio, e quando chega ali, ela é feliz, liberta do erro, e da tolice, e do medo [...] e de todos os outros males humanos, e [...] vive em verdade por todo o porvir com os deuses. "Phaedo (Fédon), 80, D, E; 81, A".

Em contraste direto com o ensino grego sobre a psy·khé (alma) como imaterial, intangível, invisível e imortal, as Escrituras mostram que tanto psy·khé como né·fesh, usadas com referência a criaturas terrestres, referem-se aquilo que é material, tangível, visível e mortal.

Veja algumas passagens bíblicas sobre alma (vida)

Ezequiel 18. 4
Eis que todas as almas (vidas) são minhas; como o é a alma (vida) do pai, assim também a alma (vida) do filho é minha: a alma (vida ou pessoa) que pecar, essa morrerá.

Atos 2. 38-41 - Sermão de Pedro
E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo; Porque a promessa vos diz respeito a vós, a vossos filhos, e a todos os que estão longe, a tantos quantos Deus nosso Senhor chamar. E com muitas outras palavras isto testificava, e os exortava, dizendo: Salvai-vos desta geração perversa. De sorte que foram batizados os que de bom grado receberam a sua palavra; e naquele dia agregaram-se quase três mil almas (vidas ou pessoas).

Atos 7. 14
E José mandou chamar a seu pai Jacó, e a toda a sua parentela, que era de setenta e cinco almas (vidas ou pessoas).

Veja agora como fica a regra da vida ou alma na Bíblia.

PÓ DA TERRA (ELEMENTOS QUÍMICOS) + FÔLEGO DA VIDA (AR) = ALMA VIVENTE OU SER VIVO.

2 - A MORTE DO HOMEM - Eclesiastes 12. 7
E o pó volte à terra, como o era, e o fôlego volte a Deus, que o deu.

A morte é nada mais do que o inverso da vida. O corpo é sepultado e com o tempo dissolve-se na terra e o fôlego (ar) que mantinha o vivo volta para Deus, que o deu.

A bíblia não menciona nenhum tipo de espírito que sai do corpo e vai para algum lugar se aperfeiçoar, ou encarna em outro corpo, ou vai para o purgatório.

A única passagem bíblica que conheço, e que não tem nada haver com muitas interpretações que vemos por aí, esta em Lucas 16, a parábola do rico e Lázaro.

Vejamos a passagem bíblica de Lucas 16. 19-31 - O rico e Lázaro

Ora, havia um homem rico, e vestia-se de púrpura e de linho finíssimo, e vivia todos os dias regalada e esplendidamente. Havia também um certo mendigo, chamado Lázaro, que jazia cheio de chagas à porta daquele; E desejava alimentar-se com as migalhas que caíam da mesa do rico; e os próprios cães vinham lamber-lhe as chagas. E aconteceu que o mendigo morreu, e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão; e morreu também o rico, e foi sepultado. E no inferno, ergueu os olhos, estando em tormentos, e viu ao longe Abraão, e Lázaro no seu seio. E, clamando, disse: Pai Abraão, tem misericórdia de mim, e manda a Lázaro, que molhe na água a ponta do seu dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama. Disse, porém, Abraão: Filho, lembra-te de que recebeste os teus bens em tua vida, e Lázaro somente males; e agora este é consolado e tu atormentado. E, além disso, está posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que quisessem passar daqui para vós não poderiam, nem tampouco os de lá passar para cá. E disse ele: Rogo-te, pois, ó pai, que o mandes à casa de meu pai, pois tenho cinco irmãos; para que lhes dê testemunho, a fim de que não venham também para este lugar de tormento. Disse-lhe Abraão: Têm Moisés e os profetas; ouçam-nos. E disse ele: Não, pai Abraão; mas, se algum dentre os mortos fosse ter com eles, arrepender-se-iam. Porém, Abraão lhe disse: Se não ouvem a Moisés e aos profetas, tampouco acreditarão, ainda que algum dos mortos ressuscite.

Para entendermos melhor esta parábola, devemos saber qual o significado de algumas palavras contidas nela.

1- Parábola: do grego "parabolé" que significa uma história, uma ilustração, um provérbio. Nenhuma doutrina pode ser baseada sobre detalhes incidental de uma parábola.

2- Seio de Abraão: Tradição judaica: Aparece somente em Lucas 16. 22, no caso acusativo, singular masculino. Como região, enseada, o mesmo sentido usado em João 1. 18 "Deus nunca foi visto por alguém. O Filho unigênito, que está no seio do Pai, esse o revelou".

Os judeus acreditavam que, quando morria um justo, ele ia para um lugar chamado "seio de Abraão", para "desfrutarem da companhia de Deus e dos patriarcas". Um fato interessante sobre esta tradição judaica, era que ela transmitia a idéia de consolo, paz e segurança, visto que Abraão, como progenitor da nação judaica, preocupava-se com o bem estar de todos os seus descendentes.

Outro fato interessante: Os judeus tinham Abraão com o pai da nação judaica Lucas 3. 7-8 "Dizia, pois, João à multidão que saía para ser batizada por ele: Raça de víboras, quem vos ensinou a fugir da ira que está para vir? Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento, e não comeceis a dizer em vós mesmos: Temos Abraão por pai; porque eu vos digo que até destas pedras pode Deus suscitar filhos a Abraão".

Na Bíblia não encontramos um lugar de descanso referindo-se como seio de Abraão. Mas segundo o historiador Flávio Josefo os judeus do tempo de Jesus criam numa fábula muito semelhante a dada por Cristo.

Jesus veio a essa terra numa época onde as tradições reinavam sobre as verdades de Deus. Paulo alertou em Colossenses 2. 8 a respeito das tradições. "Tende cuidado, para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo".

Veja agora quatro passagens bíblicas que derruba essa idéia de seio de Abraão: A ressurreição dos mortos:

Ressurreição: Significa voltar a vida: É nada mais do que um corpo que estava morto (sepultado) no pó da terra ou no mar, volta a se recompor e o fôlego da vida (respiração, ar) entra em suas narinas e ele volta a viver.

A Ressurreição de Lázaro: João 11. 43-44 "E, tendo dito isto, clamou com grande voz: Lázaro, sai para fora. E o defunto saiu, tendo as mãos e os pés ligados com faixas, e o seu rosto envolto num lenço. Disse-lhes Jesus: Desligai-o, e deixai-o ir". Jesus em momento algum disse: Vem espírito de Lázaro que está no paraíso (ou seio de Abraão), e entre neste corpo para que ele viva. Ele simplesmente disse, Lázaro sai para fora, e o corpo de Lázaro se recompôs e o fôlego da vida (respiração, ar) entrou em suas narinas, e Lázaro tornou a viver.

A Ressurreição de alguns mortos na crucificação de Jesus: Mateus 27. 50-54 "E Jesus, clamando outra vez com grande voz, rendeu o espírito. E eis que o véu do templo se rasgou em dois, de alto a baixo; e tremeu a terra, e fenderam-se as pedras; e abriram-se os sepulcros, e muitos corpos de santos que dormiam foram ressuscitados; e, saindo dos sepulcros, depois da ressurreição dele, entraram na cidade santa, e apareceram a muitos. E o centurião e os que com ele guardavam a Jesus, vendo o terremoto, e as coisas que haviam sucedido, tiveram grande temor, e disseram: Verdadeiramente este era Filho de Deus". Claramente vemos nessa passagem bíblica, que muitos corpos de santos que dormiam foram ressuscitados quando Cristo rendeu o espírito, e logo após saírem de seus túmulos, entraram na cidade santa "Jerusalém" e apareceram a muitos. A bíblia não relata que esses mortos ressuscitados vieram do seio de Abraão ou paraíso. E também alguém deve ter perguntado a algum deles se eles estavam no paraíso ou seio de Abraão, mas não a relato desta passagem. Com certeza se alguém viesse do seio de Abraão, alguns dos discípulos teriam narrado. A bíblia não menciona que esses santos que ressuscitaram, retornaram a seus túmulos. Então eles devem ter vivido suas vidas normalmente até morrerem novamente. A verdade é que: O poder de Cristo na sua morte foi tão grande, a ponto dos mortos saltarem de seus túmulos e ressuscitarem.

A Ressurreição dos justos na volta de Jesus: I Tessalonicenses 4. 13-18 "Não quero, porém, irmãos, que sejais ignorantes acerca dos que já dormem, para que não vos entristeçais, como os demais, que não têm esperança. Porque, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também aos que em Jesus dormem, Deus os ressuscitara com a vinda dele. Dizemos-vos, pois, isto, pela palavra do Senhor: que nós, os que ficarmos vivos para a vinda do Senhor, não precederemos os que dormem. Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor. Portanto, consolai-vos uns aos outros com estas palavras". Observem que: Se essa idéia de seio de Abraão fosse realmente verdadeira, Jesus na sua vinda teria trazido com ele, todos os que morreram a seu favor, para poderem assumir definitivamente, seus lugares em seus corpos sepultados aqui nesta terra. Mas não foi isto que aconteceu, Jesus veio somente com seus anjos. Após chegarem aqui, é que foi dada a ordem para que os mortos em Cristo que estavam em suas sepulturas, ressuscitassem, da mesma forma que aconteceu com Lázaro. Jesus foi até Lázaro e o ressuscitou do seu túmulo (ou sepultura), e em momento algum Ele mencionou seio de Abraão.

A Ressurreição dos mortos no dia do juízo de Deus: Apocalipse 20. 12-15 "E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante de Deus, e abriram-se os livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras. E deu o mar os mortos que nele havia; e a morte e o inferno deram os mortos que neles havia; e foram julgados cada um segundo as suas obras. E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte. E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo". Algo que chama a atenção neste texto é que os mortos que estão no mar, estão separados daqueles que estão no inferno. Pergunto: Dois lugares diferentes, uns bem tranqüilos sepultados no mar, e outros sofrendo no fogo do inferno. Isto derruba a idéia de que inferno é um lugar de sofrimento, e sim uma sepultura, como veremos no decorrer deste estudo. Na parábola, o rico quando viu Abraão no paraíso, disse que ele estava sofrendo nas chamas, veja: "E no inferno, ergueu os olhos, estando em tormentos, e viu ao longe Abraão, e Lázaro no seu seio. E, clamando, disse: Pai Abraão, tem misericórdia de mim, e manda a Lázaro, que molhe na água a ponta do seu dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama". Pergunto: Se a bíblia separou claramente, mortos que estão no mar e mortos que estão no inferno, então tem algo de errado nesta parábola, uns sofrendo nas chamas do inferno e outros descansando no fundo do mar sem serem queimados. E a visão de Abraão do inferno, era de um lugar que estava em chamas e não de um mar. Fica complicado de acreditar nesta parábola?

Para tirar certas dúvidas também sobre este texto de Apocalipse 20, colocaremos ele na linguagem de hoje, veja: "E deu o mar os mortos que nele estavam sepultados; e na terra, as sepulturas deram os mortos que nelas havia, e foram julgados cada um segundo as suas obras".

Não podemos acrescentar ou inventar coisas que não são bíblicas. A ressurreição tem que seguir o mesmo processo da criação.

Gênesis 2. 7: Pó da terra + fôlego da vida = alma vivente ou ser vivente.

Tradição: Um problema sério que vai levar muita gente a perder a Salvação.

Tradição significa: Uma transmissão oral de lendas ou narrativas ou de valores espirituais de geração em geração. Na bíblia este nome tradição não é bem visto pelos verdadeiros seguidores da palavra de Deus. Mateus 15. 6-9: "E assim invalidastes, pela vossa tradição, o mandamento de Deus. Hipócritas, bem profetizou Isaías a vosso respeito, dizendo: Este povo se aproxima de mim com a sua boca e me honra com os seus lábios, mas o seu coração está longe de mim. Mas, em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos dos homens".

3 - Inferno: No Hebraico Sheol, no Grego Hades, no Latim Infernus, que significa lugar de habitação dos mortos. A palavra inferno não transmitia assim, originalmente, nenhuma idéia de calor ou de tormento, mas simplesmente de um lugar coberto ou oculto (sepultura), tanto que, a palavra cemitério significa, dormitório ou fazer deitar-se.

Muitos teólogos costumam dizer que quando morre um pecador, ele já vai direto para o inferno, lugar de tormento, e ali ele fica sofrendo no fogo eterno, o que não é verdade. Veja esta passagem bíblica Judas 1. 7 "Assim como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que, havendo-se entregue à fornicação como aqueles, e ido após outra carne, foram postas por exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno".

Pergunto: Sodoma e Gomorra estão queimando até hoje? Não, o fogo durou enquanto destruía totalmente as cidades, depois apagou-se.

Outro fato importante: Muitos vão perder a Salvação, não por serem maus ou praticaram algum tipo de atrocidade, mas pelo fato de não crerem em Jesus Cristo (João 3. 18). Pergunto: Seria Deus tão cruel em deixá-los queimando eternamente no fogo eterno pelo fato de não aceitarem a Cristo, sendo que eles não cometeram nenhum tipo de maldade?

Também, se Deus porá um fim no pecado (o pecado não existirá mais), então, como explicar (como muitos dizem por ai?) aquelas pessoas condenadas que estarão queimando eternamente no fogo do inferno (após o juízo final), maldizendo, pecando a todo momento contra Deus? Ora, se Deus está dizendo que acabará com o pecado e essas pessoas que foram condenadas continuam pecando, desta forma, Deus não estaria cumprindo com a sua palavra (em acabar com o pecado), porque, o pecado nunca se acabaria. Infelizmente, está é uma doutrina que muitos lideres de religiões pregão por ai. Se Deus está dizendo que colocará um fim no pecado, é porque ele não existirá mais (nem pecado, nem sofrimento eterno. Tudo será consumido pelo fogo no juízo final - Malaquias 4).

Veja o que realmente vai acontecer com os ímpios no dia do juízo de Deus. Apocalipse 20. 12-15 "E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante de Deus, e abriram-se os livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras. E deu o mar os mortos que nele havia; e a morte e o inferno deram os mortos que neles havia; e foram julgados cada um segundo as suas obras. E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte. E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo"

Um fato interessante a se observar neste capítulo de Apocalipse 20, é que, se o inferno para muitos é um lugar de fogo e tormenta, então porque ele vai ser lançado dentro de outro lago de fogo? Isso reforça mais uma vez que inferno não é um lugar de tormenta e sim sepultura para onde vão todos os que morrem. Vamos colocar este versículo na linguagem de hoje "E a morte e as sepulturas foram lançados no lago de fogo"

Agora veja o que Deus vai fazer após destruir por completo os ímpios e a terra com o fogo. Apocalipse 21. 1 "E vi um novo céu, e uma nova terra. Porque já o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe". Esta passagem encontre-se também no livro de Isaías 66. 22 "Porque, como os novos céus, e a nova terra, que hei de fazer, estarão diante da minha face, diz o Senhor, assim também há de estar a vossa posteridade e o vosso nome".

Agora preste bem atenção nesta passagem bíblica: Malaquias 4. 1-4 "Porque eis que aquele dia vem ardendo como fornalha; todos os soberbos, e todos os que cometem impiedade, serão como a palha; e o dia que está para vir os abrasará, diz o Senhor dos Exércitos, de sorte que lhes não deixará nem raiz nem ramo. Mas para vós, os que temeis o meu nome, nascerá o sol da justiça, e cura trará nas suas asas; e saireis e saltareis como bezerros da estrebaria. E pisareis os ímpios, porque se farão cinza debaixo das plantas de vossos pés, naquele dia que estou preparando, diz o Senhor dos Exércitos. Lembrai-vos da lei de Moisés, meu servo, que lhe mandei em Horebe para todo o Israel, a saber, estatutos e juízos".

Ora: Se no dia do juízo de Deus, os ímpios vão ressuscitar (significa que estavam dormindo em suas sepulturas), depois serão julgados segundo as suas obras, depois serão lançados no lago de fogo e enxofre até queimarem por completo sem deixar nem raiz nem ramo, depois Deus recriara novos céus e a nova terra, e os justos viveram nela, e pisaram as cinzas dos ímpios. Então este fogo e o sofrimento dos ímpios não será eterno como muitos teólogos dizem, ele permanecera até que tudo seja destruído por completo, depois apagará. Deus precisa deste planeta terra. Após destruir tudo que há nele através do fogo, Ele reconstruirá tudo novamente e os justos viveram nele, e a gente vai caminhar sobre a face deste planeta, e as vezes pisaremos sem saber em algumas cinzas de alguém que foi queimado no dia do Juízo de Deus, e não vamos nem perceber que ali morreu um pecador.

Veja agora como lúcifer (satanás) ira morrer: Ezequiel 28. 12-18 "Assim diz o Senhor Deus: Tu eras o selo da medida, cheio de sabedoria e perfeito em formosura. Estiveste no Éden, jardim de Deus; de toda a pedra preciosa era a tua cobertura: sardônia, topázio, diamante, turquesa, ônix, jaspe, safira, carbúnculo, esmeralda e ouro; em ti se faziam os teus tambores e os teus pífaros; no dia em que foste criado foram preparados. Tu eras o querubim, ungido para cobrir, e te estabeleci; no monte santo de Deus estavas, no meio das pedras afogueadas andavas. Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em que foste criado, até que se achou iniqüidade em ti. Na multiplicação do teu comércio encheram o teu interior de violência, e pecaste; por isso te lancei, profanado, do monte de Deus, e te fiz perecer, ó querubim cobridor, do meio das pedras afogueadas. Elevou-se o teu coração por causa da tua formosura, corrompeste a tua sabedoria por causa do teu resplendor; por terra te lancei, diante dos reis te pus, para que olhem para ti. Pela multidão das tuas iniqüidades, pela injustiça do teu comércio profanaste os teus santuários; eu, pois, fiz sair do meio de ti um fogo, que te consumiu e te tornei em cinza sobre a terra, aos olhos de todos os que te vêem". Veja que Deus vai destruir satanás na presença de todos os salvos e eles verão as suas cinzas se espalharem sobre a face da terra. O mais interessante é que, após satanás ser destruído por completo e suas cinzas espalhadas sobre a face da terra, Deus não disse que havia um espírito no corpo de satanás, e que este espírito sairia, e seria aprisionado em algum lugar.

Resumindo: Essa idéia de sofrimento eterno no inferno, não é bíblica.

4 - O abismo que separa o inferno do paraíso que esta no versículo 26 da parábola: Esta e a separação mais estranha que já vi. Lá do paraíso você tem uma visão panorâmica do inferno, e também poderá dialogar com os ímpios. Imaginem os ímpios discutindo com os salvos, fazendo gestos obscenos para os moradores do paraíso (ou seio de Abraão), ou mesmo um parente ou um filho que se perdeu, e você iria vê-lo sofrendo no inferno. Pergunto: Que paraíso é este? Mas você vai me dizer: No paraíso, não lembraremos de nada. Respondo a você: Mas Abraão lembrou-se de tudo que havia acontecido com Lázaro e o defendeu (houve uma discussão entre Abraão e o rico, e o mais interessante é que Abraão chamou um condenado ao juízo final de Deus de filho). Veja: Disse, porém, Abraão: Filho, lembra-te de que recebeste os teus bens em tua vida, e Lázaro somente males; e agora este é consolado e tu atormentado. E, além disso, está posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que quisessem passar daqui para vós não poderiam, nem tampouco os de lá passar para cá. E disse ele: Rogo-te, pois, ó pai, que o mandes à casa de meu pai, pois tenho cinco irmãos; para que lhes dê testemunho, a fim de que não venham também para este lugar de tormento. Disse-lhe Abraão: Têm Moisés e os profetas; ouçam-nos. E disse ele: Não, pai Abraão; mas, se algum dentre os mortos fosse ter com eles, arrepender-se-iam. Porém, Abraão lhe disse: Se não ouvem a Moisés e aos profetas, tampouco acreditarão, ainda que algum dos mortos ressuscite.

Me desculpem: Mas fica complicado de acreditar nisso. A Bíblia é bem clara em dizer que luz não combina com as trevas. Veja abaixo.

Exortação a separação - II Coríntios 6. 14-16
Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas? E que concórdia há entre Cristo e Baal? Ou que parte tem o fiel com o infiel? E que consenso tem o templo de Deus com os ídolos?

5- O plano da Salvação: O mais interessante, é que, Lázaro recebeu a salvação divina, porque ele era pobre, mendigo e passava fome, contrariando o plano da salvação através de Cristo. A parábola não menciona que Lázaro havia aceitado a Jesus Cristo como seu Salvador. Ao contrário do ladrão na cruz, que reconheceu o seu erro, aceitou a Jesus e foi salvo. Veja um exemplo bíblico de bondade que ainda não estava aprovado por Deus. Em Atos 10, havia um centurião romano de nome Cornélio, homem justo e bom diante de Deus, fazia muitas caridades e orava todos os dias, mas ainda não pertencia a Deus, porque ele não havia aceitado a Jesus Cristo. Mas Deus teve misericórdia de Cornélio, mandou chamar Pedro, e Pedro pregou a palavra da salvação a Cornélio e ele aceitou a Jesus e foi salvo. A salvação é gratuita e está em Cristo Jesus e não nas obras ou ser mendigo ou pobre.

6- A autoridade de Jesus: Mais uma contradição nesta parábola, o rico havia pedido a Abraão que enviasse alguém dos mortos até a casa de seu pai para dar o testemunho a seus cinco irmãos, para que eles não fossem para aquele lugar de tormento. Pergunto: Teria Abraão a autoridade de ressuscitar alguém dentre os mortos? A bíblia relata que Jesus é o único que tem as chaves da morte e do inferno (sepultura) Apocalipse 1. 18 "E o que vivo e fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. Amém. E tenho as chaves da morte e do inferno". Jesus é o único que pode chamar das sepulturas os mortos.

Explicando está parábola de autoria de Lucas.

Lucas foi um discípulo de Jesus, mas nunca teve um contato direto com Ele, mas assegura ter investigado tudo cuidadosamente e ter escrito uma narrativa ordenada dos fatos Lucas 1. 1-4. Lucas era médico e autor do Evangelho de Lucas e Atos dos Apóstolos. Tinha um amigo cujo nome era Teófilo. Alguns estudiosos dizem que o evangelho de Lucas foi escrito por volta dos anos 40 a 60 da era cristã. Então não é de admirar que ele deve ter sido influenciado por Paulo ou outro discípulo de Jesus.

Com relação a parábola que ele escreveu, em Lucas 16, a aplicação mais relevante desta parábola reside na metodologia de Jesus em levar a mensagem do Evangelho. Cristo usou a crença dos fariseus, para lhes ensinar uma verdade fundamental que significa a oportunidade de vida que existe enquanto o homem vive. Porque após a morte não adianta pedir ou orar para os mortos, porque o seu destino ficou selado no momento em que morreu.

Encerrando este estudo, vou deixar uma passagem bíblica para os cristãos refletirem João 9. 4 "Convém que eu faça as obras daquele que me enviou, enquanto é dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar". Faça a obra de Jesus enquanto você esta vivo, porque depois que morrer, não haverá mais acordo. Seu destino estará selado, ou a morte eterna (será queimado no dia do juízo de Deus e ninguém se lembrara de você por toda a eternidade), ou a vida eterna (vivera com Deus eternamente). Não existe outra forma a não ser estas duas.